segunda-feira, 31 de dezembro de 2007

Festejos alternativos

Champanhe é caro, um mero espumante demasiado popular, por isso nada melhor que festejar o ano novo com Sprite ou Cola com Mentos.



Perfecto!

sexta-feira, 28 de dezembro de 2007

Eterno retorno

A propósito da publicação da tese de mestrado de Joaquim Machado, o AO do passado dia 23 fala sobre a exigência de entrega de ratos mortos na Câmara de Ponta Delgada, como forma de combater esta praga no concelho no início do século XX. Passados cerca de cem anos, o AO de ontem noticia que uma rixa no Bairro das Laranjeiras (eufemismo para Bairro dos Canibais) obrigou ao destacamento para o local de todo o corpo policial da cidade, para acalmar os ânimos. Como forma de combate a esta nova praga, recomendo que a Câmara passe a exigir a entrega de canibais nos seus serviços. Não digo mortos, porque isso era ser desumano. Digo tão-somente empalados.

quarta-feira, 26 de dezembro de 2007

A menina mija

Há por aí toda uma tradição machista de perguntar tão-somente se o menino mija. É bem capaz que haja algum estafermo que me venha dizer (depois de lhe chamar estafermo, é provável que não me diga nada, mas pronto) que o Menino Jesus tinha pilinha e que é em honra dele que se bebe. Agora, tem lá Jesus culpa de, naquele tempo, ainda não existirem operações para mudança de sexo? Eternamente a procurarem desculpas, estes machistas, quando não houve pessoa com mente mais aberta do que o Filho.

Sempre na senda igualitária e, por uma vez na vida, tentando ser politicamente correcto, a minha mui nobre pessoa presta-se ao relato de um episódio que, estou certo, porá fim a esta discriminação sexista. Cantava o galo pela terceira vez, logo o nascer do dia já se aproximava, quando uma menina de mim se abeira e profere estas palavras de profundo significado bíblico: “Segura aqui.” E, por aqui, entendamos apenas um copo de cerveja. Lá segurei e degluti o dito, enquanto ela subia a saia, desviava as cuecas e se abaixava, para fazer cumprir uma necessidade fisiológica, na vertente líquida.

Como a coisa demorava, acabei por degustar todo o copo de cerveja, pelo que decidi reabastecê-lo na fonte da juventude que ainda jorrava abundantemente. E lá continuou ela feliz e contente enquanto saboreava um produto biológico. É, sem dúvida, uma história com um profundo cariz igualitário e, ao mesmo tempo, uma boa campanha ambiental de apelo à reciclagem.

segunda-feira, 24 de dezembro de 2007

Receita para aumentar a auto-estima

Ingredientes:
Calendário a 24 de Dezembro

Preparação:
Aproximar-nos de uma loja e comparar a nossa cara com a das pessoas que desesperadamente compram qualquer coisa que lhes permita dizer que não se esqueceram de alguém.

PS – Agora dêem-me licença que eu vou ali comprar um penico.

quinta-feira, 20 de dezembro de 2007

Coisas a não esquecer no ano que vem

O dia propriamente dito ainda não chegou, mas já há lições que posso tirar deste Natal. Por exemplo, não convém mesmo nada abrir nozes com um martelo enquanto se segura as ditas com um alicate de pressão. É verdade que o martelo é bastante bom a quebrar a casca, mas esta ferramenta é igualmente poderosa a esmagar o conteúdo. Vou ver se me lembro disto para o ano, para não comer vestígios de noz misturados com cascas pelo décimo quarto ano consecutivo.

domingo, 16 de dezembro de 2007

azoreanbrides.com

Numa entrevista à Açores TSF/AO, o director dos serviços de pediatria do Hospital do Divino deteve-se sobre uma questão que tem uma importância capital nestas ilhas: fixação dos médicos. Julgava a minha pervertida mente que o clínico fosse enfatizar a necessidade de se liberalizar as bofetadas, mas não. As suas preferências centram-se noutro campo:
E a meu ver, só há uma maneira de fixar cá os pediatras, que é um indivíduo do continente casar com uma mulher de cá.

Levando em linha de conta estas preocupações, a Secretaria Regional dos Assuntos Sociais prepara-se para abrir um concurso público, tendo eu conseguido aceder, em primeira mão, ao respectivo anúncio que, em breve, surgirá na imprensa regional:

sexta-feira, 14 de dezembro de 2007

Desenvolvimento

Por vezes, tenho sido crítico para com os nossos governantes e as suas políticas de desenvolvimento, mas tenho que reconhecer que são boas as notícias que os últimos dias têm trazido quanto ao progresso dos Açores. Há uns dias atrás, o tribunal mandou reintegrar na função pública um dentista de dava umas chapadas nas crianças que atendia. É da mais elementar justiça que tal tenha sido feito, pois isso só prova quão vanguardistas são as práticas médias nos Açores.

Ainda ontem, outra notícia deveras animadora. A RTP-A deu-nos conta de um aluno que ameaçou uma professora com uma arma. É verdade que foi uma mera pressão de ar (muito longe das semiautomáticas de Columbine), mas tal foi sem dúvida mais um passo decisivo para que nos aproximemos do nível da principal potência mundial nesta área.

quarta-feira, 12 de dezembro de 2007

Perspectiva

Continuando na senda deste meu devaneio recente de analisar o que vem na capa do AO, hoje socorro-me da manchete para fazer sair do meu aterro sanitário mental mais um delírio. “Açores precisam de 350 polícias”, diz a tal manchete. O problema é que não é esta a razão da falta de segurança na região. Os Açores não precisam de mais polícias, mas sim de menos criminosos, a começar pelos da espécie de colarinho branco.

segunda-feira, 10 de dezembro de 2007

Publicidade enganosa

Algures pelo Vale das Furnas, na ilha de S. Miguel, existe um estabelecimento de natureza diversa que anuncia em letras assim para o grande: Azorean Flavours (sabores açorianos). Junto a este anúncio, o turista incauto vê aquele conhecido cartaz que apresenta os diversos tipos e sabores … de gelados da Olá.

sexta-feira, 7 de dezembro de 2007

É pá doca

Diz o AO de hoje que as duas locomotivas da doca vão ser recuperadas e, posteriormente, usadas em passeios na muralha do porto de Ponta Delgada. Estou certo que o desfrutar da esplendorosa vista sobre contentores, barcos e demais manobras portuárias, junto com as outras actividades que tradicionalmente se praticam na doca, vai abrir PDL a um novo tipo de visitantes típicos de lugares onde tem grande expressão o chamado turismo gay.

segunda-feira, 3 de dezembro de 2007

Ossos

Num recanto da primeira página, o AO anuncia hoje que os “Açores vão estudar ossadas antigas”. Se não estou em erro, o primeiro local a ser alvo da minúcia dos investigadores será o Hotel Royal Garden, em Ponta Delgada, por lá ter decorrido, no passado fim-de-semana, o Congresso do PSD-A.